terça-feira, outubro 19, 2004

Rá-Tim-Bum: Euclides e as drogas


"Sóóóó... Que viagem, hein, Máscara..."


Hoje falaremos de um personagem querido das crianças brasileiras, que poucos sabiam, mas é um usuário frequente de cannabis sativa, ou maconha para os leigos. Além de muitas outras drogas. O personagem é Euclides o rapaz de cabelos vermelhos do popular Rá-Tim-Bum (antes de haver qualquer castelo ou ilha).

Só depois de adolescente percebi que a Euclides não era flor que se cheirasse. Como vi isso? Vamos às provas:

Prova A: A casa e a roupa dele. Se você prestar atenção, é uma casa de quem usa LSD. Vejam toda a psicodelia das paredes, os ângulos agudos das janelas, as escadas que não levam a lugar nenhum, e a total falta de gosto em combinar cores. Nas roupas, vale também o mau gosto para combinações, prova de que ele gosta de tudo "colorido", ou seja, na maior viagem. Ou isso, ou ele tem um gosto parecido com o do Falcão.

Prova B: Ele fala com cobra(s). É conhecido que Sssssílvia é uma cobra. Porém, ela sempre aparece na janela de Euclides para "pegá-lo". Falar com uma cobra já é estranho. A cobra querer te fazer desafios bobos, já é demais. E a cobra ter uma prima chamada Celeste, mais ainda. Claramente o garoto estava fazendo uso da erva maldita.

Prova C: Sonhos estranhos. Lembram quando ele acordava no meio da noite (com chapéuzinho de dormir e tudo, diga-se de passagem) e ia abrir a janela? Às vezes estava tudo de ponta-cabeça, às vezes estava tudo de lado, às vezes ele via à si mesmo e conversava... Podemos ver que muitas vezes Euclides acordava numa bad trip de ácido.

Prova D: Más companhias. Ele andava sempre com um sujeitinho de chapéu, conhecido apenas como Máscara, que se dizia "detetive". Esse era um maconheiro dos piores. Falava com um rato (Roy, que aliás era mais inteligente que o detetive), sempre esquecia o nome das coisas (um sintoma conhecido da perda de neurônios ocasionada pela erva de Marley), e às vezes tinha uma fome incontrolável, a popular "larica". Euclides e Máscara já foram vistos dividindo comida como esfomeados, e discutindo pois haviam 5 pedaços e eles eram apenas 2. Demoraram uma eternidade para chegar a uma conclusão, atestando novamente seu raciocínio lento, devido à maconheirice.

Mais algum relato sobre esse sujeito? Postem nos comentários, okay? Vamos desmascarar esses ídolos e suas vidas sujas.

No próximo capítulo: Professor Tibúrcio e as anfetaminas. (Ele era mó rapidinho, e tal. Era coquetel de anfetaminas com ecstasy e coca, com certeza. E era branquinho pra não deixar marcas da cheiração no nariz).

2 comentários:

albrecht disse...

Esta é uma grande prova que televisão influencia as crianças,
pois todas que assistiam estes programas e
jogavam video game com som psicodélicos cujo objetivo era comer bolinhas,
hoje esta ouvindo psy , indo a lugares parecidos com a casa deste sujeito e tomando bala!

Anônimo disse...

Tem razão, depois de assistir esses programas e jogar pac Man, me afundei no lsd das raves!!! Muito o bom !!! Hoje sou alguem feliz, que assistiu programas bacanas e venho nesses blogs ler essas palhaçadas que soh me fazem rir muito, rir de tanto marley.. Sqn