terça-feira, março 30, 2004

Seriously Funny Funnily Serious

O que aconteceria se o inconfundível narrador de Winning Eleven, John Kabira resolvesse cantar sucessos do Blink-182?

Isso aqui aconteceria:



Chama-se "Seriously Funny Funnily Serious" ou "通常出荷 - 通常 2-4日以内に出荷します" e é um bizarro tributo de bandas japonesas ao Blink-182, com seus indefectíveis sotaques nipônicos tranformandos as músicas em novos clássicos do trash auditivo. Como eles têm dificuldades com a pronúncia do "L" e do "R", obtemos pérolas como "Sôu sóli, itsôuvellll...", em "Man Overboard", e "Létsgôu, douêi, disnáitsóumôustôvel..." em "First Date. E é claro que fica incrível ouvir um bando de japas cantando Blink.

Recomendo.

quinta-feira, março 25, 2004

Azor I Love You



Marcel Silveira Leite, estudante do 2º ano de jornalismo como eu, tem um pai cujo nome é Azor. Azor Filho, aliás, porque esse também é o nome do vô dele. E ele correu o risco de ser Azor Neto, mas tudo acabou correndo bem.

Como Marcel tem amigos bacanas na PUC-Campinas, a oportunidade de zoar com o nome de seu pai não foi perdoada. Segundo Renan Magalhães, "Azor é nome de sambista da velha guarda. Azor não, Azorzinho. Neto." Depois disso, "Azorzinho Neto" já virou parceiro de Cartola, compositor de muitos sambas com Adoniran Barbosa, entre muitos outros.

E a mais nova mania que envolve Azor é descobrir músicas que contém menções ao seu nome. O que temos até agora:

"É só o Azor, é só o Azor / Que conhece o que é verdade / O Azor é bom, não quer o mal..."
by Legião Urbana, em "Monte Castelo"

"É o Azooooooooor / Que mexe com minha cabeça e me deixa assim..."
by Zezé di Camargo & Luciano, em "É O Amor"

"O Seu Azor é canibal / comeu meu coração mas agora eu sou feliz..."
by Ivete Sangalo, em "Canibal"

"Azor é um livro, Sexo é esporte / Sexo é escolha, Azor é sorte..." e por aí vai.
by Rita Lee, em "Amor e Sexo"

"Fazer borbulhas de Azor pra te encontrar..."
by Fagner, em "Borbulhas de Amor"

"Cuide bem do seu Azor / seja quem for..."
by Paralamas do Sucesso, em "Cuide Bem do Seu Amor"

"Não vá pra longe / não me desaponte / O Azor não sabe esperar..."
by Paralamas do Sucesso, em "O Amor Não Sabe Esperar"

"Ser Azor a qualquer hora / ser Azor de corpo inteiro / Azor de dentro pra fora / Azor que eu desconheço / Quero um Azor maior, amor maior que eu..."
by Jota Quest, em "Amor Maior"

"Os alquimistas já estão no corredor / E não tem mais nada negro Azor..."
by Engenheiros do Hawaii, em "Negro Amor"

"Azor I Love You (repete 452 x)..."
by Marisa Monte, em "Amor I Love You"

E existem ainda muuuuuuuitos outros! Eu gostaria que vocês sugerissem outras aparições e influências de Azorzinho na Música Popular Brasileira, nos comentários! Se houverem bastante sugestões, eu publico uma segunda parte! Se não houverem, talvez eu publique mesmo assim!

domingo, março 21, 2004

I Can't Watch This!

Como prometido, vamos estrear essa porcaria de sessão chamada "I Can't Watch This!". Ela é reservada apenas para filmes que podem ser considerados trash, e que vale a pena assistir para dar risada do monte de furos de roteiro, das péssimas atuações, dos "defeitos especiais"...

Excepcionalmente, na reestréia, não teremos fotos do filme, porque ele é raro, e é difícil achar fotos dele na internet... Se alguém achar alguma, me mande por e-mail que eu coloco aqui... Nas próximas sessões, prometo fotinhos explicativas!

Para começar bem, vou falar logo do clássico dos filmes B, o único que possuo em meu armário, "A Geladeira Diabólica"

A Geladeira Diabólica (REFRIGERATOR, THE), 1991
de Nicholas A.E. Jacobs
escrito por Philip Dolin e Nicholas Jacobs



O filme conta a história de Eileen (Julia McNeal) e Steve Bateman (Dave Simonds), recém-casados, que para fugir da chatice da mãe da moça, se mudam para um apartamento bizarro, em um prédio igualmente bizarro. Ao fechar negócio, descobrem que a geladeira já vinha junto do apartamento, o que acham uma maravilha. Steve já acha um queijo dos que mais gosta dentro dela, e fica feliz com isso. Que nojento. Você comeria um queijo que já estava na geladeira de um apartamento que você comprou? Eu não. Eileen sonha em ser atriz, e isso é mostrado várias vezes durante o filme, com uma musiquinha-tema ridícula.

Então. Steve trabalha toda hora, e deixa Eileen sozinha em casa. Certo dia, para consertar a pia, aparece Juan (Angel Caban), o encanador (que se veste como Supla e tem um bigodinho meio Freddie Mercury). Eileen está atrasada para ir fazer uma entrevista para conseguir um papel em uma peça. O encanador demonstra suas habilidades em dançar flamenco (ridículo), o que atrasa a moça (Aliás, ela fica só olhando, em vez de mandar o cara embora). Quando ela consegue se livrar do bigodudo, percebe que perdeu as chaves de casa. Revira tudo (tudo mesmo, tipo o lixo, chega a ser escroto), e não acha. Depois descobre que a chave estava na geladeira! (Safadinha essa geladeira, não?) Steve tem pesadelos com o trabalho à noite, envolvendo a geladeira. A geladeira se enche sozinha de tudo o que Steve gosta, seduzindo-o, e Eileen fica confusa, pois sabe que não foi ela que comprou aquelas coisas.

No outro dia, Juan volta lá (com a mesma roupa) para continuar consertando a pia. Steve, que teve um dia ruim, volta para casa e encontra Juan e seu ajudante, Paolo (Jaime Rojo) , sentados em sua mesa tomando café com Eileen, e fica com ciúmes. Steve vai embora novamente, voltando para o trabalho, e Eileen vai atrás de emprego. Juan deixa Paolo consertando a pia sozinho. Adivinhem o que acontece? Sim, sim, a geladeira come ele! Uma das cenas mais ridículas do cinema mundial! A geladeira mastiga o cara, que fica com o bração esticado pedindo ajuda... E se você olhar de perto, perceberá que não é a geladeira que se choca com ele, e sim ele que se choca com a geladeira (que aliás, é de plástico!).

Eileen tem pesadelos com a geladeira. Os sonhos envolvem sua mãe (Nena Segal), Steve e um bebê (não preciso mencionar que é uma boneca, né? Pois é, é).

Dois dias depois (pelo que parece), Juan (com a mesma roupa) volta ao apartamento de Eileen procurando por Paolo. Pra você ver como ele era amigo do parceiro dele, que apresenta como seu quase irmão... Eileen reclama que a geladeira está estranha (está mesmo, ela pinga "sangue", tenta mordê-la, prende seus dedos... Mas Eileen é uma anta, e não percebe. Nem Steve. É irritante).

Eileen cai doente, pede para que Steve se livre da geladeira, eles brigam, transam (na frente da geladeira, que começa a pingar sangue. Que tipo de pessoa transa na frente da geladeira? Eileen e Steve, eu digo!), a geladeira come a mãe dela, que deu uma passada por lá, e blá blá blá.

Eileen vai à uma cigana Tanya (Phyllis Sanz) (que já havia aparecido antes, mas isso não conserta os buracos do roteiro), e Juan está lá (com a mesma roupa). A cigana diz que a geladeira é um portal para o inferno (!!!!!!!!!).

Durante a noite, Steve tem um pesadelo, e, sonâmbulo, leva Eileen aos berros, em seu colo, em direção à geladeira. O que Eileen faz? Mata o marido! Moça drástica, não? Quando o rapaz cai ao chão, podemos ver uma coisa em suas costas, onde foi enfiada a faca. Parece um livro, sei lá. Ou um isopor... Pouca verba é isso aí!

Chegam Juan, a cigana e um cara (Darrell Smith). A geladeira ataca os quatro, sendo auxiliada pelo lixo, os ventiladores, entre outros eletrodomésticos. O cara que veio junto com Juan perde a perna no lixo (engraçadíssimo, muito mal feito! E ele pulando numa perna só é hilário!) e cai. Dois ventiladores trituram sua cara (e aí notamos claramente que foi colocado um boneco no lugar do cara. O boneco faz movimentos ritmados para a direita e a esquerda, é muito óbvio!). A cigana morre também. Juan e Eileen fogem.

Happy End: Eileen e Juan casam, e viram famosos dançarinos de flamenco. A geladeira continua lá, talvez esperando uma continuação... Mas acho que ninguém teria coragem de fazer isso. O filme vale a pena por suas cenas ridículas, mas o ritmo é muito lento, e a geladeira é colocada em segundo plano, dando mais importância ao relacionamento Steve/Eileen/Juan. Para se assistir uma vez, é válido como experiência... Mais que uma, você é insano. Só pra comentar, assisti esse filme 3 vezes. Foi um chute no saco, de tão chato... Eu tenho a fita, se alguém quiser se arriscar, é só pedir... Ficarei feliz de proporcional tal experiência a vocês!

Foto enviada por Léo Lourenço

terça-feira, março 16, 2004

Paladar, Prazer e Digestibilidade. Isto É Daltony

version 2.0



Apresentaremos hoje Daltony, o tiozão fodão. Um ser tosco que compõe, toca, atua, inventa, é pai, e vende rosquinhas (de polvilho, que fique bem claro!). É tão cultuado quanto o Politizador, a ser comentado em algum post futuro.

Sua aparência é um de seus chamarizes. Aquele cabelinho grisalho a la Otávio Mesquita, o quase-biquinho que ele faz para parecer sério, o olho direito mais fechado que o esquerdo... Daltony é praticamente um Brad Pitt amadurecido. Além de parecer aqueles tiozões de 5º grau pra baixo, aqueles que aparecem no churrasco da família e metade do pessoal fica se perguntando "Quem é esse cara?", enquanto ele manda ver na cerveja, contando piadas e se achando o rei da festa. E Daltony é o rei da festa, realmente.

Daltony é tão pop que já foi no programa da Ana Maria Braga ensinar como fazer as melhores rosquinhas do mundo (que se fossem mesmo as melhores, ele não ensinaria assim, de graça). Além de fazer rosquinhas, o cara também é cantor, compositor, inventor de coisas magníficas, entre elas a descarga ecológica (que segundo o Batata, ele carrega pra cima e pra baixo, juntamente com uma privada!), ator, pai de família, e muitos outros. Realmente, um multi-homem.

Ninguém comprova a veracidade de toda a auto-promoção que empesteia seu site, mas que vale a pena ler a trajetória desse batalhador que é Daltony, isso vale. Além do mais, vocês terão a oportunidade de ler os sábios e maravilhosos provérbios do próprio, além de seus maravilhosos e estupendos erros de português e digitação. Eu disse de português? Também há traduções incríveis para o inglês, como

Eu Compositor = My self As A Songwhite
Aguarde = Await
Se eu tivesse inventado a lua não estaria só no mercado = If I had invented the moon, I wouldn't be only on market.


Aqui, o melhor da sapiência Daltony:

"Não importa onde você vai dar... O importante é estar na estrada" (Alguém tem mente poluída como eu?)

"Não gostaria de ser o homem mais rico do mundo, mas isto será inevitável."

"Se hoje fosse feriado pediria você em casamento Daltony"

"Sou um artista na arte do fazer."

"Se soubesse produzir flores lhe daria"
(Daltony está me deixando realmente em dúvida quanto à sua sexualidade...)

"Se eu tivesse inventado a lua não estaria só no mercado." (Huh?)

E a filosofia em sua forma mais pura:

"Nem tudo que reluz é ouro!... Tudo que parece parecer com o que eu faço, não é tão bom quanto parece."

Essa foi profundamente profunda, hein amiguinhos? E tem muito mais no site do mestre. Se você desde já se tornou fã de Daltony, aproveite e visite o mundialmente famoso Templo de Adoração ao Mestre Daltony, e descubra que, como Daltony, você não está só no mercado!

E isto é Daltony, não contém mau gosto. Taste and Pleasure. That's Daltony.

domingo, março 14, 2004

Cuspido e Escarrado

Reestreando hoje temos um favorito dos visitantes da Dare To Be Stupid, a sessão Cuspido e Escarrado. Essa sessão é tipo aquela Separados No Nascimento da revista VIP, só que uso apenas conhecidos meus (pelo menos na maioria das vezes). Para reestrear bem, vou colocar uma semelhança recente. Esse é Sávio, ultimamente conhecido como Sabotage!



E aí, gostaram? E não se preocupem, pois todos os Cuspidos e Escarrados publicados até o momento serão republicados, pouco a pouco. É só o blogspot não me dar um calote... Aliás, alguém sabe um bom gerenciador de imagens? (Grátis, ófi cóurse). Tô usando o blogger.com.br, mas aposto que em breve eles apagam minha conta... Quero mudar enquanto ainda tenho poucas fotos aqui, aí dá pra transferir mais na boa... Sugestões?

Até mais e boa sorrrrrrrrte!

segunda-feira, março 08, 2004

Poesias Poéticas

Devido ao grande sucesso do último post, uma pequena atualização antes do previsto... Como estamos republicando os melhores posts, não poderia deixar de faltar a linda sessão de vida curta (devido à preguiça de seu autor) Poesias Poéticas, por Gustavo Horwatt Ramos, meu primo.

Poesias Poéticas
por Gustavo Horwatt Ramos

Pornografia

"Quando eu vejo uma revista pornô
Na intimidade do meu banheiro
Eu faço coisas
Que nem imagino
Chamo ela de gostosa
Dou tapinha nela
Lambo os seios dela
E quando eu gozo
É uma emoção
Porque treme minhas pernas
E quando eu chego no quarto,meu pai pergunta:
- Gustavo, que cê tem?
- Nada não, pai, tô passando mal."

Gustavo tem 18 anos é estudante do 1º colegial, atualmente, além de já ter sido Jackass profissional, bikini car washer e balconista de cantina. Além de um poeta de "mão cheia", se é que vocês me entendem.

quinta-feira, março 04, 2004

Tipos De Professor Que Com Certeza Já Teve

Para completar os tipinhos da sala de aula, os tipos de professor, lógico. Essa vai em especial para os bixos e bixetes do curso de Jornalismo PUCCampeiro, que estão apenas entrando nesse universo de professores bizarros, porém divertidos...

Professor "Preciso-de-uma-fonoaudióloga" - Fala para dentro, fazendo os alunos não entenderem porra nenhuma do que é explicado em aula. Acaba fodendo a todos, que ou reprovam ou têm que estudar como bestas para não reprovar.

Professora "Helena" - O nome vêm da bondosa professora da falecida novelinha mexicana Carrossel. Esse tipo de professora (não há professores do sexo masculino dessa espécie) trata seus alunos como crianças de 5 anos de idade, estejam eles na 8ª, 1º colegial ou até mesmo na faculdade. Muito comum em professoras mais idosas.

Professor "Quero-ser-Jerry-Seinfeld" - O professor metido a engraçadinho. Conta piadas durante a aula inteira, e às vezes até troca o assunto da aula por sessões de piadinhas. Costuma ser repreendido por diretores e afins. É o tipo de professor mais adorado por seus alunos. E odiado por alguns, aqueles que querem ter aula.

Professor "Shut Up When I'm Talking To You" - Aquele professor que implica com tudo, repreendendo os alunos até quando respiram mais alto. Costuma dar broncas nos alunos sem motivo, seja por notas baixas, trabalhos mal feitos, pedidos de saída de classe, às vezes aberturas de fichários e estojos, até. Antes de entrar na aula desse tipo de professor, descarregue sua bexiga e intestinos, pois uma vez dentro da classe, a chance de sair para fazê-los é zero.

Professor "Take-Me-Back-To-Piauí" - O professor de outro estado. Normalmente arranca risadas de seus alunos devido ao seu sotaque carregado. Há o mineiro (fessô), o gaúcho (professor tchê!), o carioca (professorrr), o paulista (psôr), o baiano (fessôr), e os demais interioranos (professorrrrrr). E várias variáveis.

Professor "I-Don't-Speak-Portuguese" - Uma variante internacional do anterior, mas de outros países, como os asiáticos (plofessol), Portugal (professoire), e Alemanha (Prrrofesssssorrra).

Professor "Big-Gay-Al" - O professor que todos suspeitam que é homossexual. Costuma rebolar muito e ter voz de Vera Verão. Normalmente é casado, o que deixa os alunos ainda na dúvida. Talvez esse tipo de professor compre aliança apenas para esse propósito, o mistério.

Professor "Abram-seus-guarda-chuvas" - Aquele professor que baba e/ou cospe. Sempre há um. Às vezes o faz na cara de seus alunos. Outras vezes na lousa, que fica manchada de saliva e catarro. Extremamente asqueroso.

Professor "Eu-sei-zoar" - E há aquele tipo de professor que em suas aulas fica tirando um barato com a cara dos outros professores e de seus alunos. Mais comumente encontrado em colegial ou cursinho, esse tipo de professor é adorado pela turma, principalmente quando fala mal daquele professor que a turma toda odeia (talvez o Professor "Shut Up When I'm Talking To You"). Ou quando chama alguém (seja professor, aluno, funcionário, parente...) de boiola, viado ou qualquer similar.

Alguma sugestão de tipo de professor? Histórias pra contar sobre relacionamentos com professores? Pra isso que servem os comentários, people! Comentem e make me happy!