sexta-feira, junho 03, 2005

Ordináááááááááária!


Tchan! Tchan! Dudududupá!


Nos anos 80, Luiz Caldas alegremente balançava seu mullet e cantava despreocupado sobre Tieta do Agreste, lua cheia de tesão. Apesar de ser o pai do axé, Luiz cantava algo com uma letra que até fazia algum sentido. Mas daí pra frente, a música popularesca só caiu em se tratando de letras. Analisemos, então, algumas das maiores pérolas do pop brasileiro:

Ivete Sangalo, com Flor do Reggae:

"Como se eu fosse flor, você me rega".
Inconseqüentemente e talvez até sem querer, essa frase, transforma a música em uma ode à bizarra prática do golden shower. Se você não entendeu, fique feliz. É nojento.

Bragaboys, com Bomba:

"Uma mão vai na cabeça, o movimento é sexy".
Se isso não é uma apologia à masturbação, eu não sei o que é. Ou será que minha mente é poluída demais?

Asa de Águia, com Dança da Manivela:

"Eu fui perguntar pra ela meu amor, se a dança da manivela ela topou. Dizendo que aqui tá frente, aqui tá frio"

Qual a ligação entre as duas frases? E a pegar no dedinho (do pé) dela? E no joelho dela? E subir mais um pouquinho? E porque diabos a dança da manivela? Porque não a dança do macaco hidráulico, da chave de boca, do alicate? Pra fazer axé, não se precisa pensar muito. Invente uma dança, dê os passos de forma ritmada dentro da música e pronto: você é sucesso. Assim como o Asa de Águia, que além da Dança da Manivela, tem a Dança do Vampiro, que praticamente é a mesma coisa: ordem de passos e frases típicas axézentas, como "levante as mãos" e "mandando axé". Porque axé é chavão.

Banda Eva, com Arerê:

"Arerê, um hobby, um lobby, um love com você".

Sem querer perseguir a pobre Ivetona (afinal, a culpa não é dela), mas essa é a campeã. O que diabos esse refrão quer dizer? Só o "love com você" faz sentido, pra mim. Alguém se atreve a interpretar? Além do incrível trava-línguas "róbilóbilóvi com vocêêêê iêê!".

Margareth Menezes, com Dandalunda:

"Dadalunda, maimbanda, coque".

Duvido que você sabia que era isso que ela canta! Certeza que você cantava uma das paródias feitas por aqueles que, como você e eu, não entendia porra nenhuma do que titia Marge cantava. Tipo "Lava a bunda na aguá da tornêra" (Ênfase no "água", assim, com sílaba tônica errada, mesmo). Mais uma prova que no axé, a letra é só acessório. Nessa categoria entra também Daniela Mercury com Maimbê Danda. "Maimbê maimbê danda Zum zum zum zum zumbaba". E o pior é que fica na cabeça. Tem o dedo do Carlinhos Brown nessa música, o que explica muita coisa. De a letra ser ruim, não de ficar na cabeça, fique claro.

Gil, com Maionese:

"Maionese ele me bate, bate feito maionese, e o que eu tinha tomado subiu direto e foi pra cabeça".

Ou seja: a mina apanha, compara com a preparação de um prato, e ainda fica chapada com isso. Porradaria etílica culinária alucinógena. Fato engraçado nada-a-ver: o nome da mulher completo é Gilmelândia. É quase Disneylândia. No que será que a mãe dela estava pensando? Talvez ela tenha apanhado "feito maionese", também.

Qualquer música do É o Tchan:

"Dudududupá! Tchan!"

A função de Cumpadre Washington na banda era repetir essas duas palavras a torto e a direito, com um ocasional "Eu gostcho muuuuuuuuuitcho". E comer a Sheila Carvalho, função que 99% dos homens do planeta não deixaria por nada.

Exemplos não faltam. Falta é paciência pra prestar atenção nessas músicas, que, cá entre nós, só servem pra dançar, mesmo... E olhe lá. Mas gosto é que nem aquele orifício, né. Cada um tem o seu, e alguns são horríveis.

13 comentários:

disse...

Da Ivetona tem também o "bugui bugui bai bai, bugui bugui bai"! Sei lá, acho que esses fonemas e essas palavras mal-articuladas são mantras com os quais os axezeiros invocam entidades pagãs.

Stella Polaris disse...

Ah Joao, vc nao aprecia a arte!
E tem a mente muito poluida, sim.
Eiei
Aposto que vc queria de chamar disneylandia!
beeijos

Róger disse...

Acho que o Zé tem razão, devem ser mantras apenas compreendidos pelos axezeiros.

Angélica disse...

que imaginação não Jão?! gostei.... num vou eescrever algo longo se nÃo sua mente poluída vera algo comprometedor a minha pessoa!
Beijos , ok?!

Mateus disse...

olha só, a matéria que saiu no Fantasma!

Luiz Caldas deve se envergonhar tremendamente de sua "prole".

Anônimo disse...

hey hey hey!! olha quem tá aki!! euzinhaaaa! quem?? hum.... quem quem quem???
hã hãaaaaa
anonima??
quem é essa???
euuuuuuu adivinha... a que não sai a teeempos com a turminha do barraco....mas q já curtiu alguns bomboliches!
ajudou a te derrubar dum banquinho giratório....
ahhh agora adivinhou neh???
nem vo fala quem pq já sabe!

(só pra ficar grandinho o comentário.. huahuahua) sou idiotinha nas horas vagas tb! rsrs
bejuuuuuus
de quem?? âhhhh
Maridjaaaaaaa

Gabi disse...

Eu acho que a dança da manivela, pelos movimentos da coreografia, tem alguma apologia à prostituição... Aquele negócio de rodar bolsinha, sabe?
Fora isso, não tenho esclarecimentos... Porque essas músicas realmente são foda de nterpretar. Beijos!

albrecht disse...

Muito bom!

O regge tambem merece um texto deste, pois, o que seria "fugir da babilonia" que eles tanto cantam?

KK disse...

realmente jão, soh me espante seu profundo conhecimento das letars dessas músicas.....algumas nunca ouvi falar.... mas quem nunca requebrou o bumbum q atire a primeira pedra...nem q seja pra zoar.... he he.......

mudando de asssunto q tal linkar o meu flog e o do theo......www.camillawerner.fotoflog.com.br e www.theovinicius.fotoflog.com.br
c der, claro...

continuo com saudades.....bjo bjo


t amuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu

KK

julano disse...

concordo com o dignissimo colega albrecht vc deveria fazer textos desse para reggae com sua letras horrendas ritimo continuo e enjoativo e mesmo assim adorado por muitos oq dizer sobre esse ritimo um tanto qto irritante??vejamos sua capacidade inventativa e analize com tanta eloquencia qto analizou o axe e boa sorte
atenciosamente

Baiano disse...

Olha, eu sou suspeito pra falar (afinal, vivi tempo demais na terra do axé e sou hoje um inimigo deste).

Mas... queria falar do layout e de outras coisas... Mas agora vai começar Carandiru, vou assistir.

Até mais

Anônimo disse...

Concordo com você em tudo o que escreveu... mas não será isso uma perseguição contra a música produzida na Bahia? Engraçado você só ter sitado como exemplo músicas de cantores baianos...
Sinceramente, não gostei.
Um abraço,
Carolina Grassi

João disse...

Finalmente um comentário crítico!

Carolina Grassi,

o foco só foi dado à música baiana porque em sua maioria é de lá que vem os axés ritmados da vida. Mas lógico que eu poderia incluir aqui o funk carioca, o pagode paulista, entre muitos outros...

Abraços!