terça-feira, junho 28, 2005

Não tente isso em casa


Johnny Knoxville, o mentor do Jackass


No início do programa Jackass, a Mtv não cansa de repetir: "Não tente isso em casa, isso foi feito por profissionais, blá blá blá..." Mas não adianta, sempre tem algum imbecil que vai tentar inovar, fazer peripécias nunca dantes imaginadas por Johnny Knoxville e companhia, e vai acabar com dores, arranhões, manchas roxas, gesso ou alguns dias fora de circulação, no hospital. E parece que eu me cerco de imbecis desse tipo. E más influências como essas (e um pouco de álcool etílico) acabam fazendo com que o espírito Jackass aflore até em mim. Eis alguns exemplos de coisas que não deveriam ter sido tentadas em casa:

- Beber um copo d'água pelo nariz: No popular Barraco do Gordo, localizado na Zona Norte de São Paulo, nosso querido companheiro Artur "Porter" teve a brilhante idéia de ingerir um copo d'água inteiro pelo nariz. Enfiava o nariz dentro do copo e cafungava. A cada cafungada, uma ânsia, uma gorfadinha, uma cuspida. Mas ele terminou o copo.

- Enfiar a cara na merda de um cachorro Fila: A idéia vinha de longa data, e foi posta em prática com Gustavo "Gstav-O" Ramos e uma folha de filme plástico no rosto. Segundo o autor da peripécia, o cheiro da merda ultrapassa as barreiras do Magipack e se instala em sua cara, trazendo uma sensação extremamente desagradável. Tanto que Gustavo lavou a cara com desodorante Rexona.

- Jogar um banquinho da madeira de cima do sofá na cara de seu amigo: Acho que já deu pra entender o que ocorreu, né? Ainda bem que o Gustavo estava com máscara e óculos protetores, ou agora eu teria um primo banguela e desdentado. Ele ficaria quase como o Sloth, dos Goonies.

- Colocar um pregador de roupas em um dos testículos: Outra de Gustavo, king of pain. Colocou o pregador em contato direto com um de seus ovos, e agora tem ovos mexidos para o café da manhã.

- Cheirar pimenta extra-forte: Olha, o nariz arde por pelo menos 30 minutos ininterruptos. Suas narinas ardem em chamas, como se dois isqueiros Zippo estivessem comendo seus orifícios nasais em labaredas de dor e ardência. Quem cheira cocaína é bicha. Tentem cheirar pimenta extra-forte, seus maricas.

- Colocar pimenta Tabasco no brioco dos outros: Se algum amigo seu, bêbado, começar a querer mostrar pra todos qual a aparência de seu peidante, faça como nós e tente essa. Quando ele revelar ao mundo seu buraco quente, coloque algumas gotas de Tabasco em seu cofre, para que escorram ruela adentro. Garanto que ele não mostrará o olho marrom para ninguém por um bom tempo. É divertido para todos, menos para a vítima. Pimenta no cu dos outros é refresco.

- Se jogar pra trás em uma cadeira de madeira: Minha última peripécia. Incentivado por André "Baiano" Julião, me joguei pra trás com cadeira e tudo. Infelizmente, o encosto da cadeira fez um impacto tremendo sobre minhas costas, que estão doendo até agora. Segundo Baiano, fiquei uns bons minutos no chão, gemendo de dor. Mas vejam bem: eu não tentei isso em casa. Eu tentei na casa dos outros.

quarta-feira, junho 22, 2005

Reinventando Sons Consagrados


Emerson Nogueira, o mestre das covers


Covers são versões de músicas de outros artistas, como todo o planeta já sabe. Normalmente, as covers são parecidas com as músicas originais, tentando fazer a cover o mais próximo possível do original. Porém, existem covers que fogem dessa regra, indo no caminho completamente oposto: o ritmo é mudado, a letra é traduzida para outra língua, entre outras desconstruções da canção original.

E não é que às vezes diverte até mais que a música original? Segue uma lista de algumas covers destruidoras, de preferência deixando a música irreconhecível, seja isso bom ou ruim...

The Unplay - "A Luz Se Move"
Esse disparate é uma versão para o português de "Used To Love Her", hit da banda da franga cantante Axila Cor-de-Rosa, os Guns'N'Roses. A letra fica belíssima, como o título já mostra. Vejam a semelhança fonética (e somente isso) de "Used To Love Her" e "A Luz Se Move".

Hayseed Dixie - "Back In Black"
O Hayseed Dixie faz versões country (com banjo e tudo) para clássicos do AC/DC. Não é bem country, é bluegrass, aquela música de caipira americano. Só ouvindo para saber como fica. Recomendo "Back In Black", por ser um dos maiores clássicos do AC/DC, mas muitas outras músicas da banda estão disponíveis em versão bluegrass. Aliás, não só do AC/DC, também tem versões do Kiss (Imaginem "Love Gun" com banjo. Imaginou?), e Mountain Love. Mas... que porra de banda é Mountain Love? Eu não sei.

The King - "Whiskey In The Jar"
O Metallica havia feito uma cover do Thin Lizzy em seu disco Garage Inc., com "Whiskey In The Jar". Agora, imagine a mesma cover, só que feita pelo Rei. Não, não o Pelé, nem o Supla. O Rei. O Rei do rock Elvis Presley! Um dos inúmeros imitadores de Elvis fez esse serviço de utilidade pública para todos nós. É um caso de cover da cover, ou cover².

Barão Vermelho - "Malandragem Dá Um Tempo"
A versão rock para o clássico de Bezerra da Silva foi aprovada até pelo próprio. Usando um riff inspirado na música "Low Rider", sucesso dos anos 70, o Barão usou essa música pra levantar as vendas de seu disco "Álbum", só de covers.

Apocalyptica - "Master Of Puppets"
O Apocalyptica nasceu fazendo cover do Metallica com um quarteto de cellos. Parece bizarro, mas fica incrível. Eu recomendo "Master Of Puppets", uma das melhores, na minha opinião. Ouça também as versões do Apocalyptica para músicas do Faith No More, Sepultura, entre outros.

Falcão - "Amolda O Bicho Na Parede"
A versão do Falcão pra "Another Brick In The Wall", do Pink Floyd, foi vetada de ser gravada. Segundo o próprio Falcão, "aquele corno, o Roger Waters, me proibiu de tocar a música dele. Mas também, agora tá decidido: ele também não pode tocar nenhuma música minha!". Pra quem não conhece a versão do Falcão, é aquela: "Atirei o pau no gato... Mas o gato não morreu"...

Alien Fashion Show - "Detroit Swing City"
A versão big band swingada do clássico do Kiss "Detroit Rock City". Sem mais explicações.

Bloco Vomit - "Should I Stay Or Should I Go"
O que acontece quando um bando de escoceses bêbados adoradores de samba e maracatu resolvem tocar punk? Acontece o Bloco Vomit. Suas covers maracatu sambísticas de clássicos do punk não ficam devendo em nada para as originais, trazendo batidas bizarras nunca dantes imaginadas por Joe Strummer ou Johnny Rotten, ou quem quer que seja. Indescritivelmente bizarro.

Joey Ramone - "What A Wonderful World"
Joey, o pai do punk, e sua voz anasalada, mostram que a música mais clássica do rouco Louie Armstrong podia muito bem ser uma canção dos Ramones.

Joss Stone - "Fell In Love With A Boy"
Mudando o sexo do personagem da canção dos White Stripes, a belíssima e xtosa loirinha Joss Stone transformou a música em uma bela pérola soul, longe da gritaria de Jack White na (ótima) versão original.

Dread Zeppelin - "Black Dog"
Led Zeppelin. Reggae. Elvis. Misture tudo num liquidificador e você tem a bizarra banda Dread Zeppelin. Uma banda que toca versões reggae para clássicos do Zeppelin, com um vocalista que incorpora Elvis "The Pelvis" Presley em sua fase mais gorda, e assume a alcunha de Tortelvis. Não, não tem como ficar mais bizarro que isso.

Easy Star All Stars - "Time"
O Easy Star All Stars gravou "The Dub Side Of The Moon", uma versão reggae/dub para todo o disco "The Dark Side Of The Moon", um dos melhores do Pink Floyd. E não é que ficou bom? Procure no Soulseek e comprove, os caras conseguiram fazer algo de qualidade misturando dub, Floyd e reggae.

Los Hermanos - "Vou Tirar Você Desse Lugar"
Só mesmo os Hermanos pra transformar uma música do "terror das empregadas" Odair José em algo que se aproxima do romântico sem soar brega. Na voz de Rodrigo Amarante, a canção sobre um cara que se apaixona por uma prostituta nem parece coisa do mesmo cara que cantava "Revista Proibida" e "Pare de Tomar A Pílula".

Libera O Badaró - "Nosso Lindo Balão Azul"
E se essa música fosse um metal? E se no final, tivesse uma canja do Pavarotti? Pois é, o Libera O Badaró (famosos pela pérola "Jesus Negão") o fez. Merecem também uma audição as pérolas "Unidunitovsky", versão russa pro clássico do Trem da Alegria, e "Escravos de Jah", versão reggae pra a canção folclórica. "Regueiros com regueiros fazem ziggy Ziggy Marley..."

S.H.A.P.T. - "Aí Vem Os Shapt"
Versão metal de "Aí Vem O Chaves", o popular tema da série mexicana que é alvo de disputa pelas emissoras. O S.H.A.P.T. também tem versão metal para Wando, para Lua de Cristal, da Xuxa (que virou Lua de Metal)...

Entre muitas outras. Nem vou entrar no mérito das versões punk e ska de músicas, porque tem de tudo que é música. Até a música do Tetris tem versão ska, pra se ter uma idéia.

Quem quiser ouvir algumas das covers inimitáveis descritas, entre em Rockwave, na sessão "Rádio Interativa, em Inimitáveis Covers. As mais bizarras estão lá, algumas até que nem citei aqui.

Divirta-se, e se quiser, faça uma cover você também! Emerson Nogueira ficaria orgulhoso!

sábado, junho 18, 2005

Super Mario 3 em onze minutos


Em onze minutos, eu não passo nem da primeira fase.


Super Mario 3, um jogo sensação nos anos 80, que dominava o Nintendinho de 8 bits e prendia vários pimpolhos em frente à televisão, tentando terminar a saga do encanador bigodudo a qualquer custo.

Aí me aparece um japonês e termina o jogo em onze minutos e dois segundos. Pulos com precisão milimétrica, todas as jogadas e cabeçadas em blocos com a certeza de que tudo dará certo. Apesar de poder fazer você em teoria se sentir um perdedor, pense bem: para o cara conseguir terminar um jogo complexo e difícil como Super Mario 3 em onze minutos, ele deve ter treinado até nascerem bolhas nas bolhas dos calos de seus dedos cansados de tanto apertar botão de joystick.

Todo mundo gostaria de poder dizer "eu termino Super Mario 3 em onze minutos", mas alguém aceita passar a vida explorando o jogo para conseguir fazer isso? Provavelmente o cara está jogando só esse jogo desde seu lançamento (12 de fevereiro de 1990), 24 horas por dia. Para conhecer o jogo tão bem (ou até melhor) que a palma da própria mão...

O que se pode fazer em onze minutos? O cara termina o jogo no tempo de eu tomar um banho rápido. O tempo de um desenho do Pica-Pau. O tempo de se ouvir "Stairway To Heaven". Um terço do tempo de um episódio de Friends. Menos tempo que eu levo para chegar no meu trabalho. Menos tempo do que eu demorei para escrever isso aqui. O cara pode falar para a namorada "Sim, querida, pode ir se arrumar, enquanto isso eu termino Super Mario 3 dez vezes seguidas aqui. Quem sabe não melhoro meu tempo?" O japonês viciado já deve medir seu tempo em Super Mario 3. "Daqui a uns 3 finais de Super Mario 3 eu estou saindo"

Ah, eu nunca consegui sequer terminar o jogo, até hoje.

------------------------------------


Apêndice do post

Para completar o post, uma curiosidade bem curiosa sobre o jogo. Muitos dos nomes dos chefes de fase (no caso, filhos do chefão Koopa) são homenagens à grandes nomes da música. Parece que o Koopa gostava bastante de rock'n'roll, preste atenção no nome dos filhos dele:

Iggy Koopa homenageia Iggy Pop.
Lemmy Koopa é por causa de Lemmy Kilmister, baixista e vocalista do Motörhead.
Ludwig Van Koopa é homenagem à Ludwig Van Beethoven. Roy Koopa à Roy Orbison.
Morton Koopa Jr., apesar de ser nomeado para homenagear Morton Downey Jr., cantor country americano, mostra sua raiz roqueira: ele tem uma cara branca com uma estrela pintada no olho, devidamente caracterizado exatamente como Paul Stanley, do KISS...

quinta-feira, junho 16, 2005

Metendo O Pau


"O Penetrador". Bela sátira, não?


Uma das sessões mais populares da Dare To Be Stupid trata de pornografia. Tínhamos várias, com resenhas de filmes do tipo, paródias pornô de filmes consagrados (vide O Senhor dos Anais, entre outros), entre outras coisas. Unificarei tudo isso com a nova sessão Metendo O Pau, que reunirá tudo que pode ser falado sobre a pornografia e todos seus aspectos.

Por que a pornografia me fascina? Porque, em sua maioria, é muito engraçada. A atuação, as falas, as caras e bocas, a previsibilidade, tudo contribua para que eu inevitavelmente morra de rir em quase todos os filmes pornôs. Apenas nesse tipo de filme você encontra falas clássicas como a atriz dizendo "Não, a gente não pode fazer isso, você é meu cunhado (ou irmão/tio/primo/afilhado/cachorro/vibrador/liquidificador)...", para em seguida ser atacada pelo ator em questão, de berimbau em riste.

As histórias de como aquele casal (ou trio, quarteto, quinteto, assim por diante) começou a transar loucamente é sempre uma atração. Começam a transar por causa de brigas, por causa da paisagem, porque a máquina de escrever quebrou, entre outras histórias mais mirabolantes ainda. Isso quando há uma história, pois às vezes, o filme começa e pronto: já temos uma moça levando uma surra de vara sem mais nem menos, sem explicações ou nada do tipo. Sempre na mesma ordem: sexo oral - sexo vaginal - sexo anal - ejaculação na boca. Sempre. A criatividade de quem faz filmes do tipo é simplesmente incontrolável...

Entre outros atributos que me fazem simplesmente amar um filme pornô, que normalmente pode também se encaixar em outra categoria que também amo, os filmes trash. Porque normalmente pornô é trash. Principalmente o pornô brasileiro, com camas rangendo, câmeras aparecendo, sons ao fundo, mulheres simplesmente horrendas (dignas de filme de terror trash, inclusive), interpretações magníficas, entre outros.

O pornô não é algo que todos costumam assistir em casa com a família, mas recomendo que se assista um bom pornô em grupo. Não que isso vá gerar uma orgia descontrolada (afinal, a vida não é um filme pornô), mas com mais pessoas, mais aspectos peculiares do filme podems ser encontrados, erros de gravação, continuidade... Mais ou menos como o Jô Soares faz com os filmes no programa dele, mostrando os erros, mas com os pornôs, que possuem uma quantidade infinitamente maior de erros.

Enquanto Silvia Saint ganha pra levar mandioca no fedegoso, eu não ganho nada, mas me divirto com o trabalho dela. E o de Chasey Lain, Asia Carrera, Aria Giovanni, Jasmine St. Clair, entre inúmeras outras... E não é com onanismo, por incrível que pareça.

terça-feira, junho 14, 2005

Olha só o que eu ganhei de dia dos namorados da pessoa que mais me ama nesse mundo*:


- DVD Bad Taste (ou Náusea Total), primeiro filme de Peter Jackson, que depois de muitos anos viria a dirigir a trilogia daquele baixinho e seus amigos lutando para queimar o anel. Náusea Total é trash de primeira, sangrento e escatológico no melhor estilo Evil Dead da coisa.


- DVD Fome Animal (ou Brain Dead ou Dead-Alive), filme de 1992 do mesmo Peter Jackson, trash como Náusea Total, mas aqui com mais categoria. Muito sangue, tripas, vísceras, padre lutando kung-fu e macacos-ratos(?). Quem acha que chamá-lo para dirigir o filme do garoto dos olhos claros e pés peludos cercado por barbudos indo queimar a ruela foi um negócio arriscado levante a mão!


- CD "High Voltage", o primeirão do AC/DC. Por apenas R$ 14,00. Putz, nas lojas sempre tá pra lá de R$ 40,00, e eu em sebo acho uma promoção dessas. Ser rato de sebo cada vez mais tem valido a pena... Contém clássicos como "It's a long way to the top (if you wanna Rock'n'Roll)", o bluesão "The Jack" e a fodássima "T.N.T.". Discoteca básica de qualquer roqueiro que se preze.

* Eu mesmo, é lógico. Quem mais me daria presentes tão legais?

segunda-feira, junho 13, 2005

Crappy Valentines Day!

Aqui vai, com um dia de atraso, minha sincera homenagem àquele lance mercadológico chamado dia dos namorados. Não tenho namorada, o que me economiza alguma grana, se olharmos pelo lado bom.

Como presente, a letra de uma canção da J. Geils Band, que já foi incrivelmente interpretada por Adam Sandler no filme Afinado No Amor: Love Stinks!



The J. Geils Band - Love Stinks

You love her
But she loves him
And he loves somebody else
You just can't win
And so it goes
Till the day you die
This thing they call love
It's gonna make you cry
I've had the blues
The reds and the pinks
One thing for sure

(Love stinks)
Love stinks yeah yeah
(Love stinks)
Love stinks yeah yeah
(Love stinks)
Love stinks yeah yeah
(Love stinks)
Love stinks yeah yeah

Two by two and side by side
Love's gonna find you yes it is
You just can't hide
You'll hear it call
Your heart will fall
Then love will fly
It's gonna soar
I don't care for any casanova thing
All I can say is
Love stinks

(Love stinks)
Love stinks yeah yeah
(Love stinks)
Love stinks yeah yeah
(Love stinks)
Love stinks yeah yeah
(Love stinks)
Love stinks yeah yeah

I've been through diamonds
I've been through minks
I've been through it all
Love stinks

(Love stinks)
Love stinks yeah yeah
(Love stinks)
Love stinks yeah yeah
(Love stinks)
Love stinks yeah yeah
(Love stinks)
Love stinks yeah yeah

terça-feira, junho 07, 2005

Só tem popozudéééééém...


Bootylicious!


I like big butts and I can not lie
You other brothers can't deny
That when a girl walks in with an itty bitty waist
And a round thing in your face
You get sprung, wanna pull out your tongue
'Cause you notice that butt was stuffed
Deep in the jeans she's wearing
I'm hooked and I can't stop staring
Oh baby, I wanna get wit'cha
And take your picture
My homeboys tried to warn me
But with that butt you got makes me feel so horny


Sir Mix-A-Lot - "Baby Got Back"

Desculpem as garotas, mas essa não é a bunda mais perfeita que você já viu? Sério, sem sacanagem, esteticamente não é uma obra de arte? Não quero que esse seja um post machista, só um post que aprecia uma boa bunda quando vê. E acho que concordamos que aqui temos um bom exemplar... Normalmente isso não daria um post, mas essa realmente é espetacular, então abriremos uma excessão.

Além disso, a maravilhosa Vida Guerra é cubana. São tantos os trocadilhos que prefiro não falar nenhum pra não injustiçar os outros... Mais trocadilhos só com Jasmine St. Claire, aquela atriz pornô que transou com 300 caras em seguida, nascida nas Ilhas Virgens. Quer contradição maior?

Essa sim é a Vida que eu pedi à Deus.

Don't want none unless you got buns, hon'.

[Voltamos ao modo "não-machista-erótico-I-got-erection" no próximo post]

sexta-feira, junho 03, 2005

Ordináááááááááária!


Tchan! Tchan! Dudududupá!


Nos anos 80, Luiz Caldas alegremente balançava seu mullet e cantava despreocupado sobre Tieta do Agreste, lua cheia de tesão. Apesar de ser o pai do axé, Luiz cantava algo com uma letra que até fazia algum sentido. Mas daí pra frente, a música popularesca só caiu em se tratando de letras. Analisemos, então, algumas das maiores pérolas do pop brasileiro:

Ivete Sangalo, com Flor do Reggae:

"Como se eu fosse flor, você me rega".
Inconseqüentemente e talvez até sem querer, essa frase, transforma a música em uma ode à bizarra prática do golden shower. Se você não entendeu, fique feliz. É nojento.

Bragaboys, com Bomba:

"Uma mão vai na cabeça, o movimento é sexy".
Se isso não é uma apologia à masturbação, eu não sei o que é. Ou será que minha mente é poluída demais?

Asa de Águia, com Dança da Manivela:

"Eu fui perguntar pra ela meu amor, se a dança da manivela ela topou. Dizendo que aqui tá frente, aqui tá frio"

Qual a ligação entre as duas frases? E a pegar no dedinho (do pé) dela? E no joelho dela? E subir mais um pouquinho? E porque diabos a dança da manivela? Porque não a dança do macaco hidráulico, da chave de boca, do alicate? Pra fazer axé, não se precisa pensar muito. Invente uma dança, dê os passos de forma ritmada dentro da música e pronto: você é sucesso. Assim como o Asa de Águia, que além da Dança da Manivela, tem a Dança do Vampiro, que praticamente é a mesma coisa: ordem de passos e frases típicas axézentas, como "levante as mãos" e "mandando axé". Porque axé é chavão.

Banda Eva, com Arerê:

"Arerê, um hobby, um lobby, um love com você".

Sem querer perseguir a pobre Ivetona (afinal, a culpa não é dela), mas essa é a campeã. O que diabos esse refrão quer dizer? Só o "love com você" faz sentido, pra mim. Alguém se atreve a interpretar? Além do incrível trava-línguas "róbilóbilóvi com vocêêêê iêê!".

Margareth Menezes, com Dandalunda:

"Dadalunda, maimbanda, coque".

Duvido que você sabia que era isso que ela canta! Certeza que você cantava uma das paródias feitas por aqueles que, como você e eu, não entendia porra nenhuma do que titia Marge cantava. Tipo "Lava a bunda na aguá da tornêra" (Ênfase no "água", assim, com sílaba tônica errada, mesmo). Mais uma prova que no axé, a letra é só acessório. Nessa categoria entra também Daniela Mercury com Maimbê Danda. "Maimbê maimbê danda Zum zum zum zum zumbaba". E o pior é que fica na cabeça. Tem o dedo do Carlinhos Brown nessa música, o que explica muita coisa. De a letra ser ruim, não de ficar na cabeça, fique claro.

Gil, com Maionese:

"Maionese ele me bate, bate feito maionese, e o que eu tinha tomado subiu direto e foi pra cabeça".

Ou seja: a mina apanha, compara com a preparação de um prato, e ainda fica chapada com isso. Porradaria etílica culinária alucinógena. Fato engraçado nada-a-ver: o nome da mulher completo é Gilmelândia. É quase Disneylândia. No que será que a mãe dela estava pensando? Talvez ela tenha apanhado "feito maionese", também.

Qualquer música do É o Tchan:

"Dudududupá! Tchan!"

A função de Cumpadre Washington na banda era repetir essas duas palavras a torto e a direito, com um ocasional "Eu gostcho muuuuuuuuuitcho". E comer a Sheila Carvalho, função que 99% dos homens do planeta não deixaria por nada.

Exemplos não faltam. Falta é paciência pra prestar atenção nessas músicas, que, cá entre nós, só servem pra dançar, mesmo... E olhe lá. Mas gosto é que nem aquele orifício, né. Cada um tem o seu, e alguns são horríveis.