terça-feira, dezembro 29, 2009

Discos ruins que são (nada) bons: Baba Cósmica - Gororoba

Olá, amiguinhos! Sim, meu último post foi em setembro, mas acho que quem lê esse blog está mais que acostumado com grandes hiatos entre um post e outro. Nesse retorno, vou trazer para vocês uma coluna que talvez dure aqui no Ouse Ser Idiota: discos ruins que eu já tive e furei de tanto ouvir, mas hoje não ouço ou até me livrei. Pra que fazer isso? Porque esses discos, de uma forma ou de outra, moldaram meu gosto musical e até algumas piadinhas recorrentes que percorrem meu cérebro, e se eu forçar, posso cantar quase todas as músicas dessas obras. Então, vou compartilhar esses momentos adolescentes com vocês, leitores abandonados.

O disco de hoje é um dos primeiros que eu ganhei na vida, depois do dos Mamonas Assassinas, e até tem uma certa relação com eles: Senhoras e senhores, eu vos apresento Gororoba, da famigerada banda Baba Cósmica.





Track List:
1.De Jeito Nenhum
2.Analbafeto
3.Sábado de Sol
4.O Lobo Mau e A Vovozinha
5.Vara Curta
6.Meu Primeiro Amor
7.Mato
8.Maricota
9.Uma Pedra No Meu Caminho
10.Os Porco
11.Mocoronga

Download - http://www.megaupload.com/?d=X28ZC3JT

O disco tem rimas bestinhas, besteirol adolescente, revolta de boyzinho e a famigerada "Sábado de Sol", que os Mamonas fizeram questão de transformar em hit nacional. Tem vários refrões que grudam na cabeça, cortesia da trupe galera do fundão de Rafael Ramos, hoje em dia produtor de 9 entre 10 discos que você conhece do rock nacional que preste. Os outros são do Rick Bonadio.

Rimas pobres como "Ficam na cadeira esquentando a sua bunda/ E passam pro fulano e pro ciclano a sua culpa" e "Eu tava no banheiro na maior sensação/ Fazendo justiça pelas proprias mãos" lembram quando você estava naquela excursão da 7ª série cantando aos brados batendo no teto do ônibus. Ouvi esse CD até riscar aos 12 anos. Aos 13, vendi. Hoje em dia, a nostalgia bate, então dá pra ouvir só pra relembrar os velhos tempos... Copiem, ouçam, lembrem da adolescência nos 90 e depois deletem. Considerem como meu presente de Natal.

Feliz Natal e ótimo 2010!

quarta-feira, setembro 09, 2009

O supra-sumo da música



Você, que já prestou vestibular, sabe bem como é: normalmente são 10 ou 15 livros que vão cair (ou não) na prova, e você é obrigado a ler em pouco mais de 6 meses para talvez assim entrar em uma universidade que (fora Letras e cursos afins) nunca mais vai citá-los, nem en passant. O que você faz? O que seu pai fez? O que todos fizemos, nesse momento tão árduo? Lemos os resumos! Afinal, se você não vai ler por prazer, pra quê perder tempo?

Aí veio o twitter, resumindo mais ainda nossa vida: 140 caracteres para você dar seu recado, conseguir seguidores, e se for muito bem sucedido, cobrar um cascalho por tweet. Pra quê longos posts em blog se você pode resumir tudo em uma frase? (Aliás, siga-me!)

Eis que eu, concordando plenamente com o diretor da Mix FM que certa vez disse que o ouvinte "não quer ouvir o solo da música, por isso cortamos", venho nesse post resumir canções em apenas uma frase. Assim, você não precisará mais prestar atenção em letras, rimas, poesias e toda essa baboseira intelectual! Vamos direto ao assunto!

"Tanto Amar" - Chico Buarque: Ele estava tão apaixonado, que achava linda a sua vesga.

"Faroeste Caboclo" - Legião Urbana: Nordestino migrante mata traficante em subúrbio da capital.

"Bohemian Rhapsody" - Queen: Moleque faz merda e vai choramingar para a mãe.

"Enter Sandman" - Metallica: Dorme logo, moleque do caralho.

"Esporrei na Manivela" - Raimundos: Rapaz exibe piroca no ônibus e acaba no xadrez.

"Bagulho no Bumba" - Virgulóides: Rapazes pegos com maconha no ônibus acabam no xadrez.

"Menina Veneno" - Ritchie: Tô cheirando altos padê aqui no quarto à luz do meu abajur de gosto duvidoso.

"Segura o Tchan" - É o Tchan: A moça era bonita, o rapaz a comeu em diversas posições, e embuchou a pobre. Agora dançam, ordinários.

"Rehab" - Amy Winehouse: Me deixa beber em paz, caralho!

"Lapada na Rachada" - Aviões do Forró: E toma-lhe rola, toma-lhe, toma-lhe.

"Trem das Onze" - Demônios da Garoa: Você é boa e tals, mas quero ir pra casa assistir o Cine Privê.

"Rockafeller Skank" - Fatboy Slim: Olha só o Funk Soul Brother. Olha só. Dá uma olhada no Funk Soul Brother.

"Billie Jean" - Michael Jackson: Rapaz e moça conversam com o apresentador Ratinho sobre paternidade.

"Smack My Bitch Up" - Prodigy: Toma, ordináááááááária! Dudududududupá!

"AA UU" - Titãs: Nossa, dessa vez eu quase overdosei. Parada boa, essa...!

"Give It Away" - Red Hot Chili Peppers: Saia dando pra qualquer um, Geni. Dou a maior força. Já ouviu o profeta Bob Marley?

*Com algumas informações roubadas descaradamente da comunidade "Marx de cu é Hegel".

segunda-feira, agosto 17, 2009

Eu tenho porcos no quintal

Você já ouviu a história que o Kiss teria copiado o Secos e Molhados com suas maquiagens e trejeitos? Tá, essa com certeza é balela. Mas que o Exxótica devia ter copiado um pouco melhor o Kiss, isso devia.



A banda Exxótica (não me pergunte o porquê dos dois X, deve ser numerologia) é algo como um Kiss subdesenvolvido, um hard rock oitentista feito no Brasil com todos os erros e acertos que isso pode trazer. A pérola-mor é "Porcos No Quintal", cantada pelo baixista Marcelo Rossi (é sério!), vulgo "Reverendo". Ele é o equivalente ao Gene Simmons na banda, com voz rouca e maquiagem meio que imitando um Ying Yang (ou um 69). A música é do disco "Capítulo II", de 2004. Assista, a música com certeza vai pra um lugar especial em seu coração;



Eu sei que você se apaixonou pela música, então, para os mais fanáticos pelos suínos no quintal, segue o lirismo do maestro Marcelo Rossi.

Porcos No Quintal
Composição: Daniel Iasbeck/Marcelo Rossi

Tira essa coisa daqui
Tira esse lixo daqui
Tira esse nojo daqui
Tira essa merda daqui
Tira o fedor daqui
Tira essa porra daqui
Tira essa puta daqui
Caralho!!!

Escroto!
Vadia!
Escroto!
Vadia!

Eu tenho porcos no quintal
E todos eles cheiram tão mal
Mas o que é que eu vou fazer
Se é minha merda que eles querem comer

Tira o esgoto daqui
Tira esse câncer daqui
Tira esse cancro daqui
Caralho!

Escroto!
Vadia!
Escroto!
Vadia!

Eu tenho porcos no quintal
E todos eles cheiram tão mal
Mas o que é que eu vou fazer
Se é minha merda que eles querem comer

domingo, agosto 09, 2009

Maravilhas do transporte público



Você já andou de metrô/ônibus/lotação/trem? Tenho certeza que sim. Todo mundo (menos a Paris Hilton, Stephany e pessoas assim) já andou pelo menos uma vez no espetacular transporte público brasileiro, com seu conforto delicioso, aroma de rosas e silêncio relaxante. NOT.

Eu, como pedestre que sou (prometo tirar a carta ainda esse ano, tá, Dri?), conheço bem toda a dor e delícia de se andar de ônibus, lotação, trem, metrô e adjacências, por praticamente toda a cidade de São Paulo Rock City. E, como sou um Rob Fleming frustrado, vou listar alguns dos meus maiores ódios com o transporte público que o sr. Kassab diz estar lutando pra melhorar. Rá!

1) Passageiros amigáveis e deliciosamente cheirosos - Não importa o meio de transporte, sempre tem um cara legal que vai te irritar durante todo o percurso. Os tipos mais notáveis são:
1a) Os fedidos - Especialmente na hora do rush, o cheiro de sovaco molhado impera, às vezes misturado com o inebriante aroma de peido azedo, e casualmente acompanhado com o apetitoso cheirinho de pinto sujo. O mais legal é degustá-los em ônibus lotados, quando a axila pode vir bem pertinho de seu nariz, assim fazendo a viagem se tornar uma experiência inesquecível.
1b) Os conversadeiros - Pessoas como essas podem te ajudar a ter assunto em mesas de bar, o que é um lado positivo. Mas quando a viagem é longa e irritante, a história de uma senhora e sua ida à Igreja Universal do Reino de Deus para livrar-se de todo mal pode ser um monumental chute nos bagos.
1c) Os musicais - O advento do celular com mp3 pode ter sido uma benção, tirando aqueles ringtones em midi irritantes de circulação e dando à muitos a oportunidade de ouvir sua musiquinha com seu fone de ouvido durante suas viagens. Poréééém... alguns sonham em ser DJs e querem compartilhar seus sons com o planeta. E em 99.8% dos casos, o som é péssimo. Os preferidos são funk, forró, pagode e raps da moda. Existem também os que ouvem música evangélica, mas estes oferecem a outra face, se xingados.

2) Motoristas de GTA - Em ônibus e especialmente em lotações, o motorista pode ser seu melhor amigo ou seu pior inimigo. Se você gosta de fortes emoções, recomendo pegar a lotação para a estação Belém na Av. das Cerejeiras, da Zona Norte de São Paulo. Os motoristas são Hell's Angels frustrados e dirigem seus veículos como se não houvesse amanhã, porque se você parar pra pensar, na verdade não há (RUSSO, Renato; 'Pais e Filhos'; 1988). Costuram entre os carros, brecam repentinamente, buzinam a cada dois segundos e farol vermelho é para os bobos. Segure-se no seu banco e finja que está no Sky Coaster.

3) Estação Sé - Essa estação do metrô merece um número especial. A Sé, para quem não conhece, é algo como se todos os habitantes da China se reuníssem, após um belo e suado jogo de futebol, em um cubículo de 2m². Quando o trem chega, você só precisa levantar os braços: automaticamente você é levado para dentro do vagão junto com a massa fedegosa. Mas assim que estiver dentro, segure-se, ou você acaba saindo pelo outro lado. Uma vez lá dentro, prepare-se para o bate-cabeça, pois as cotoveladas são mais fortes que em um show de hardcore nos anos 80. Não esqueça de continuar segurando até chegar em sua estação de destino, que provavelmente terá 300 pessoas de Esparta na frente da porta impedindo sua passagem.

4) O vão do trem - Ah, a CPTM, como te amei no ano de 2007. Trabalhei na Lapa, e pegava o trem maravilhosamente cheio às 6 da tarde todo dia, e todo santo dia tropecei naquele imenso buraco de 3 metros entre a plataforma e o trem. Já vi gente caindo, senhoras tropeçando, torcendo o pé, gritando, e tudo mais. Enfim, trem na hora do rush é quase Jogos Mortais. Ouça RZO com "O Trem".

5) Periodicidade - Não acredite no site da SPTrans, não acredite no 156, trust no one. O seu ônibus com certeza vai demorar mais que os outros para chegar, e quando chegar, você vai estar olhando para o outro lado. A menos que você fume (se é que hoje em dia um fumante pode fumar em ponto de ônibus), se for o caso, basta você acender um cigarrinho que seu meio de transporte favorito virá te buscar! Apague o cigarro na sola do sapato e guarde de volta no maço.

E você, o que mais valoriza no maravilhoso sistema de transporte público de sua cidade?

sexta-feira, julho 24, 2009

Bota a camiseta, bota meu amor

Quando o João não tem o que postar no Ouse Ser Idiota, vem a sessão preferida de quem não tem paciência para textos longos: camisetinhas divertosas que o João gostaria de possuir!

Essa é especial, pois é para bebês. Será que até lá eu arranjo uma dessas pro meu primogênito(a)?



Se você não entende inglês (anta), a camisetinha infantil diz "Tudo que a mamãe queria era uma massagem nas costas". Pegou a piada?

domingo, julho 12, 2009

O que se passa na sua mente com as mãos ocupadas?

Quando chegamos à adolescência, as mãos nos mostram um novo mundo nunca dantes navegado. O planeta Onan, o clube da mãozinha, o cinco contra um, o combate ao guerreiro do capacete vermelho. E assim, os banhos ficam mais longos, as idas ao banheiros duram horas, as revistas aparecem coladas, a mão parece o Tony Ramos, os calos ficam difíceis de esconder. Além das inevitáveis espinhas, que atrapalham a busca do adolescente pelo sexo real. Ninguém quer um moleque cheio de espinhas com a mão calejada e pêlos esparsos deitado na cama.

Assim, o adolescente (principalmente na era pré-internet) buscava inspiração em qualquer coisa para espancar seu joystick. E os enredos são dos mais inusitados. Todo homem tem sua história vergonhosa de como bateu uma punheta se inspirando em algo acima de qualquer suspeita. Vamos mostrar alguns casos (verídicos!) de enredos esquisitos que inspiraram hoje homens de respeito a espancarem o careca.

Mãe da Magali
- A respeitável e magrela dona-de-casa que tem uma filha chamada Magali na Turma da Mônica já povoou os pensamentos de um jovem que terá seu nome preservado. A moça "adora cozinhar e vive mimando sua filha, embora reprove seu apetite exagerado", segundo a Wikipédia. O bairro do Limoeiro tem seus admiradores, e a mais lembrada por jovens que não tem uma Playboy em mãos é Tina, a adolescente goxtosinha da turma do Rolo. Mas a mãe da Magali, apesar de magrela, já deu um caldo para um solitário. Imagina se vissem a Magali na Turma da Mônica Jovem, hoje em dia nas bancas? Aliás, a foto ao lado é dela. Apesar de admirada, a senhora Magali não tem fotos na net.

Mai Tsubasa, a Change Phoenix - Apesar da fama que as japas têm de serem mais retas que uma tábua de passar roupa... a fama normalmente procede. Pelo menos no que se refere às japas do Japão mesmo. E a admirada por nosso segundo punheteiro era a popular Change Phoenix, a rosinha do super sentai mais popular da finada Rede Manchete. O que ela tinha de diferente de Sayaka, a Change "Band-Aid" Mermaid? Quase nada. Mas a mente de um onanista leva a rumos que não se deve tentar descobrir.

Todas as Spice Girls
- Essas, no meio dos anos 90, fizeram a alegria dos adolescentes. As meninas gostavam das músicas, e os meninos dos clipes, fotos, pôsteres e do ensaio de Geri Halliwell na Playboy, que inclusive saiu discretamente no meio da edição brasileira. Eram 5, cada uma com seu estilo, eram gostosas (a gente perdoa a Mel C quando acompanhada por mais 4), e usavam roupas que deixavam pouco a imaginar. Duraram pouco, mas acompanharam os sonhos masturbatórios de uma legião de moleques que, na escola, juravam odiá-las. E "2 Become 1" continua sendo uma ótima música de motel. Acreditem.

Revista Veja - Não levem a mal, a revista Veja NÃO é sexy, todo mundo sabe. Mas se você é leitor da citada revista, sabe que quase sempre na sessão "Frases" existe uma foto de uma mulher gostosa, normalmente de biquíni ou trajes apertadinhos. E se você é adolescente e não tem imaginação nem material pornográfico em mãos, um ponto é vírgula e ganha curvas.




Turma do Arrepio - Não as histórias em quadrinhos, a série que passava na Rede Manchete (santa Manchete!). A bruxinha Medéia, horrível nos quadrinhos, era interpretada por Flávia Beghin com um vestidinho curtíssimo e parte da bunda à mostra. E passava antes de Cavaleiros do Zodíaco, ou seja, era perfeito para uma sessão de relaxamento pré-cavaleiros de bronze. Seyia é o caralho, o legal era a Medéia!


Pópis, Chiquinha, Paty e o elenco feminino do Chaves - Tem louco pra tudo. Sílvio Santos apresenta o programa Chaves a 25 anos e o negócio ainda faz sucesso. Será culpa de Seu Madruga? Quico? Jaiminho evitando a fadiga? Tinha que ser o Chaves, mesmo? Não, meus amigos. A culpa é de Chiquinha, Pópís e Paty, as três meninas da série, que desfilam com saias curtinhas e sempre com as pernocas chicanas à mostra. O entrevistado preferia Paty, que também era bonitinha, mas na falta da mesma em algum episódio, passava uma Chiquinha, uma Dona Florinha, um Godinez...

Hanson - Para fechar com chave de ouro, a história mais magnífica sobre o sexo solitário assistindo Mtv. Todo mundo brincava assistindo "Garota Nacional" do Skank ou o finado Mtv Al Dente. Em um belo dia, o camarada (que não terá seu nome revelado, mas sabe bem quem é) liga a TV e vê três pequenas loirinhas tocando uma música animadinha. Ele se apaixona pela tecladista afinada e começa a se animar. Até o fim do clipe, ele já está chegando ao clímax. Após sujar a sala toda com seus fluidos corporais, Sabrina Parlatore apresenta o que ele acabou de assistir. "Taí os meninos do Hanson, com o sucesso "Mmmbop", a revelação musical deste ano. Os irmãos Isaac, Zac e Taylor..." E assim acabou o sonho dourado da girl band loirinha e foi um lapso homossexual na vida de nosso entrevistado. Pobre homem.

Como todo homem tem sua história de enredo esquisito ou fora do comum, eu vos convoco: Qual foi a inspiração mais bizarra para suas aventuras manuais? Comente e quem sabe não rola uma parte 2...

terça-feira, julho 07, 2009

Angry Video Game Nerd

Não entendo como o "The Angry Video Game Nerd" (ou AVGN) ainda não virou hit aqui no Brasil. Vamos ver se com a recomendação do Ouse Ser Idiota ele vira popstar e alguém legenda os vídeos, o Pânico copia e tira toda a graça do negócio. O personagem é vivido por James D. Rolfe, um nerd que joga games antigos criticando (com uma chuva de palavrões e escatologia) os jogos podres de antigamente. O negócio começou no Youtube, e atualmente está na ScrewAttack Entertainment.

O Nerd é um cara que está sempre puto da vida com os jogos toscos que joga e tem a boca mais suja que a Dercy Gonçalves. Assistam um dos melhores episódios, em que ele revisa o jogo "Bugs Bunny Birthday Blowout", com participação do incrivelmente irritante Pernalonga.

quarta-feira, julho 01, 2009

Como o Tchan quebrou meus dedos



Quando você lê o título do post, sua mente poluída deve te dizer que eu usei demais as várias Playboys de Carla Perez, Sheila Carvalho, Sheilla Mello e Cumpadi Washington. Não, não foi o que aconteceu. Quem me dera.

Domingo, 28 de julho de 2009. A turma 33 de jornalismo da PUC-Campinas se reúne na casa de Pedro depois de alguns meses sem se ver. Cerveja gelada, quase todo mundo presente, homenagens à Michael Jackson e papos em dia. Depois de 962 latinhas, eu já via o mundo diferente. As memórias se confundiam, e idas ao banheiro eram mais constantes que exibições de Simpsons na Fox. Na minha 56ª ida ao banheiro, eu já estava mais louco que o Théo Becker. Eis que, enquanto estava quase terminando meu serviço no banheiro, ouvi a canção que mais quebra costas no planeta: a famigerada "Dança da Cordinha".

Corte para um pouco de cultura, sem anestesia: a "Dança da Cordinha", da fase de ouro do É o Tchan, é sucesso em qualquer festa, desde que seus participantes estejam bêbados. A dança consiste em passar por debaixo da cordinha sem cair, de preferência, curvando as costas de formas que só Sheilas conseguem.

Como eu dizia, ouvi Beto Jamaica entoando a canção sagrada e saí correndo do banheiro em direção à cordinha, segurada pela Dri. Passei algumas vezes perfeitamente, e quase no fim da música, após passar, na parte do "Essaí passou essaí passou essaí passou", de alguma forma consegui cair de uma forma tão emocionante que dei um duplo twist carpado e caí de frente, em cima dos meus dedos da mão esquerda. Como na canção, meus dedos médio e anelar se saúdam e se vão. Depois disso, minha mão ficou assim:



Tá, mentira, não ficou assim, só luxei os dedos, pelo que me falaram. Espero que sim. Enfim, os conselhos que vos deixo:

- Dança da cordinha não é para amadores. Se você tomou mais de duas latinhas, esteja preparado para usar sua carteirinha do plano de saúde;
- Não vá além do seu limite. Você pode até passar, mas uma fratura na coluna pode acompanhar seu feito;
- Se você tem escoliose, como eu, calcule o ângulo correto para não desequilibrar e ter uma fratura exposta;
- Não ouça É o Tchan em churrascos. Prefira a Macarena, segura e repetitiva, assim até sua vovó pode participar da coreografia;

quinta-feira, maio 07, 2009

Notícias Populares - Vida, Paixão e Morte (finalmente, na íntegra)

Finalmente na internet em uma tacada só, o vídeo-documentário feito por Eduardo Godoi, José Marcelo Siviero e eu, sobre o fabuloso jornal Notícias Populares. Fizemos em 2006, como TCC para a faculdade de jornalismo na PUC-Campinas.

O negócio foi corrido, muitas histórias tiveram que ficar de fora (como a do jogo de futebol de Raul Seixas contra Elvis, do Paulo Cavalcanti), e muitos possíveis entrevistados não foram encontrados a tempo. Mas mesmo assim, esse vídeo é meu orgulho! Pretendo fazer uma versão revista e ampliada dele, com mais entrevistas, mais historinhas, mais sangue, suor e crime!

Assista ao documentário "Notícias Populares - Vida, Paixão e Morte", incluindo casos hilários como o do peru artilheiro, da fábrica de consolos na Vila Ré e do pinto voador!



Comentários, críticas, sugestões e voluntários para uma possível versão maior e melhor são bem vindos!

sexta-feira, abril 17, 2009

Aprenda Mais ou Menos: O McGangBang

Vamos dar início a uma série de vídeos que pretendo começar: o Aprenda Mais ou Menos. Sim, o nome foi inventado agora. Nessa série de vídeos eu e meus amiguinhos vamos ensinar você, leitor e desocupado, a fazer muitas das coisas que você nunca pensou em fazer; Assim, espero facilitar sua vida e torná-la algo mais simples, rápido e indolor. E no caso desse primeiro vídeo, cheio de gordura trans.

Na estreia (eu gostava tanto do acento em estréia...) ensinarei vocês a fazerem o popular lanche McGangBang; Segundo o Urban Dictionary, ele consiste de um McChicken e um McDuplo. Nos EUA, temos também o Unprotected McGangBang, com o Spicy Chicken deles. Mas como nosso McDonald's não tem essas firulas, vai o tradicional; Aprendam. Mais ou menos.



A câmera e as risadinhas abafadas são da Dri. E em todos (ou quase) vídeos sempre será ela na câmera!

Aguardem os próximos capítulos. Se quiserem, postem novas idéias de coisas que posso ensinar à vocês, pequenos gafanhotos, que eu posso pensar no caso. Nada muito complicado, porque eu também não sou o Beakman.

sexta-feira, março 27, 2009

Bota a camiseta, bota meu amor

Para ressuscitar o Ouse Ser Idiota, vamos trazer uma nova sessão que pretendo atualizar algumas vezes por mês: a de camisetas!

Eu não tenho muito problema com roupas, sendo que normalmente visto jeans, camiseta e All Star. E como pra mim jeans é tudo igual e All Star só muda a cor, a camiseta é extremamente importante! Para mim, a camiseta tem que dizer algo, mostrar algo. Não gosto muito de camisetas lisas (mas até uso algumas de vez em quando), prefiro aquelas que as pessoas comentam quando vêem. Sabe a camiseta puxa-papo? Eu tenho uma do filme A Laranja Mecânica que sempre quem vê fala "Ow, esse filme é bacana". Tá, eu nem gosto tanto desse filme, então eu falo "É, é legal" e fica por isso mesmo. Mas vocês entenderam, né?

Enfim, chega de preliminares e vamos à camiseta da vez. Se você não entende inglês, vai perder a piada. Porque eeeeeeeeeu não vou traduzir!

sexta-feira, janeiro 23, 2009

Entre nessa fossa



Fossa pode significar duas coisas. Fossa (construção) - espaço físico para armazenar detritos (ex: fossa séptica) oriundos de esgotos ou para enterrar defuntos / Estar passando por uma fase ruim, estar mal. E no fim, elas não são tão diferentes assim. Para você, que está em qualquer uma das duas fossas (e se estiver nas fossas nasais, me explique como fez isso), segue uma lista de 5 músicas para servirem de trilha sonora para sua tristeza profunda.

5 - The Offspring - "Gone Away"
A música que Dexter Holland (supostamente ) fez para uma amiga que morreu realmente me faz lembrar de todos que já se foram e deixaram saudade. Mesmo com a voz esquisita do Dexter, a música tem uma carga emocional gigante, e uma letra sensacional.
Ápice da fossa: "It feels like the world has grown cold now that you've gone away"

4 - Slipknot - "People = Shit"
Eu tenho mais músicas de ódio do que de fossa. Normalmente, quando estou triste, eu ouço músicas pesadas e descontroladamente barulhentas pra tentar exorcizar tudo que está me fazendo mal. Essa música do Slipknot parece ser o que mais se aproxima da solução, já que é uma barulheira desgraçada dizendo tudo o que uma pessoa com raiva poderia dizer. Meio chorosamente, mas enfim. Se você prestar atenção no título da canção, perceberá que ela até se aproxima um pouco do outro significado que "fossa" pode ter...
Ápice da fossa: "Everybody hates me now, so fuck it. Blood's on my face and my hands, and I don't know why I'm not afraid to cry"

3 - Ira! - "Flores Em Você"
Essa eu nunca imaginei que fosse uma música de fossa. Inclusive, se você não presta atenção, acha que é apenas uma música bonitinha, de um cara apaixonado declarando o amor por sua menina. Mas não, veja só: "vejo flores em você". Quando você vê flores em uma pessoa? Quando ela está no caixão! Pois é, a música é de incrível rancor, informado à ex-amante que ela está morta e enterrada.
Ápice da fossa: "Nessa vida passageira, eu sou eu, você é você. Isso é o que mais me agrada, isso é o que me faz dizer que vejo flores em você"

2 - Supersuckers - "Pretty Fucked Up"
Mais uma musiquinha de fossa pós-término de namoro. Nessa, Eddie Spaghetti mostra que não vê mais nada em sua ex, e que despreza a pobre moça desde que ela o deixou. E mesmo vendo ela com outro cara, finge não sentir mais nada.
Ápice da fossa: "And I used to be strong, I used to be tough, and she used to be pretty, but now she's just pretty fucked up"

1 - Matanza - "O Último Bar"
Essa é o fundo do poço da fossa. Ali, nas profundezas da fossa, nosso personagem se embriaga até não poder mais pois sua amada o deixou. E quando o bar fecha... não há mais o que fazer. É o hino da depressão alcoólica assustadoramente pesada. Depois dessa, até o Jimmy London parou de molhar seus bigodes ruivos em qualquer coisa alcoólica.
Ápice da fossa: "O último bar quando fecha de manhã só me lembra que eu não tenho aonde ir. Bourbon tenho demais, mas que diferença faz se você não está aqui pra dividir?"

Pra rebater todo esse pessimismo alcoólico sentimental e raivoso, ouça esse contra feitiço feel good song:
Monty Python - "Always Look On The Bright Side Of Life"
A música mais otimista de todos os tempos. É a canção que diz que, mesmo quando você está morrendo, sempre há um lado bom na vida, e que você deve prestar atenção nele. No contexto do incrível filme "A Vida de Brian", fica melhor ainda! Se você ainda não assistiu, assista! Porque até uma crucificação pode ser divertida.

Agora, vá fuçar em outras fossas irmãs dessa aqui: a da minha Dri, da Amber, do Júlio César, do Nilson Jr., do Denis, da Flávia, da Sy, da Truculenta, da Lara, e da Andrea. Enjoy!